Categoria: Fotografia

Mar – fainas e lazeres

“Quando regresso do mar, venho sempre estonteado e cheio de luz que me trespassa. Tomo então apontamentos rápidos – seis linhas – um tipo – uma paisagem. Foi assim que coligi este livro, juntando-lhe algumas páginas de memórias. Meia dúzia de esboços afinal, que, como certos quadrinhos ao ar livre, são melhores quando ficam por acabar. Estas linhas de saudade aquecem-me e reanimam-me nos dias de Inverno friorento.”

Rostos, por Teófilo Rego

Este é um livro de rostos e de olhares.
De rostos que falam, como só os rostos o podem fazer, e de olhares que prendem o nosso olhar, interpelantes, insondáveis, luminosos.

O Douro, por Teófilo Rego

Na série aqui recolhida subimos ao alto para vislumbrar o correr do rio e aproximamo-nos dos cestos plenos de uvas, a descer as encostas; passeamos entre pipos prontos para partir no cais. Rasgam-se os montes para passar o rio em tapete serpenteado, capaz de romper as desventuras do caminho.

A Ribeira, por Teófilo Rego

Teófilo Rego capta a independência singular de um sítio como a Ribeira e cobre a triste severidade dos gestos em instantes narrativos. Estas imagens poéticas convocam-nos para ouvir o sotaque duro e o gume roufenho dos gritos das vendedeiras. Permitem-nos sentir os aromas seja do mar na banca do peixe alinhado, seja das castanhas fumegantes e datadas pelo jornal que lhes serve de regaço, seja ainda da tigela do caldo do velho solitário.

A Arquitectura do Porto por Teófilo Rego

Nas imagens de Teófilo Rego, que compõem esta obra, está a memória de um tempo presente mas com os olhos no futuro, provocando novas leituras do espaço urbano. O encanto destas suas fotografias está na poesia do seu modo de entender a cidade, de mostrar o corpo citadino onde se inscreve um mundo de imagens que falam de várias histórias que o fluir do tempo construiu.

De passagem

“Assunto de passagem, olhares de passagem, correr de passagem, não de passagem, conversa de passagem, sofro de passagem, esmago-te de passagem, chegou de passagem, desenho de passagem, gravei-te de passagem, companheiro de passagem (…)”
“A subject passing by, a look passing by, running passing by, a no passing by, a conversation passing by, I suffer passing by, I smash you passing by, it arrived passing by, I draw passing by, I graved you passing by, (…)”